Mostra Virtual
Programas, projetos e iniciativas para formação de professores

A iniciativa EduSCar e a ação colaborativa em uma escola-modelo de Ensino Fundamental I

Sérgio Henrique Vannucchi Leme de Mattos, Paulo César de Camargo, Yuriko Yamamoto Baldin

A EduSCar é uma iniciativa entre Centros de Pesquisa (1) das duas universidades públicas do município de São Carlos (SP) – UFSCar e USP – em parceria com outros pesquisadores dessas instituições, com a Secretaria Municipal de Educação e a Diretoria de Ensino da Região de São Carlos. Criada em novembro de 2018 e tendo como lema ‘Educação de qualidade para todos!’, a EduSCar integra ações buscando alternativas para melhoria do ensino público no Brasil, tendo as escolas públicas municipais e estaduais de São Carlos como ‘laboratórios’ de projetos educacionais.
Neste texto, apresentamos o projeto “Ação Integradora (Escola Modelo): EduSCar - EMEB ‘Prof.Ulysses Ferreira Picolo’”, concebido no âmbito da EduSCar e Secretaria Municipal de Educação de São Carlos (SME-SC). A escola foi inaugurada em março de 2020 e está localizada no município de São Carlos, em região que abriga população socialmente vulnerável. Atendendo ao pedido da SME-SC para que a EduSCar atuasse incluindo também a comunidade de seu entorno, um grupo de integrantes da EduSCar vem trabalhando na construção de uma ‘comunidade de aprendizagem’. Consiste em um novo modelo da relação ensino-aprendizagem, considerando conceitos e métodos do Paradigma da Complexidade associados aos fundamentos da Inteligência Coletiva.
A partir de reuniões de integrantes da EduSCar com membros da SME-SC e a equipe pedagógica da EMEB ‘Prof. Ulysses Ferreira Picolo’, e inspirados nas experiências exitosas resultantes da interação entre universidade e rede pública de ensino do Ceará, foi definido que a proposta da ‘escola modelo’ pauta-se nos seguintes princípios: 1) foco no aluno(a); 2) coerência interna; 3) aprender fazendo; e 4) promoção de sistema de gestão e avaliação eficiente.
Desde o início desse planejamento, estavam evidentes, não só as oportunidades provenientes desta proposta que ‘nascia’ junto com a escola e seus gestores, professores e alunos, mas também os grandes desafios envolvidos nessa jornada a trilhar coletivamente. Uma das oportunidades é trabalhar com o Ensino Fundamental I, no qual cada classe conta com um professor ‘polivalente’, responsável por ministrar aulas de diferentes áreas de conhecimento, o que abre a possibilidade de um trabalho mais integrado entre tais áreas. Por outro lado, estes profissionais geralmente tiveram sua formação em uma perspectiva fragmentada do conhecimento, sendo necessária uma mudança cultural significativa para se apropriarem dos princípios e métodos do Paradigma da Complexidade e nos fundamentos e conceitos relacionados à Inteligência Coletiva.
Em relação à comunidade do entorno da escola – a qual apresenta grande vulnerabilidade social e carências diversas, sendo composta essencialmente por famílias que têm seus filhos na EMEB Ulysses e/ou na escola de ensino infantil próxima a ela – um dos desafios é como promover a compreensão do valor da Educação e do conhecimento para pessoas cujo foco é a luta diária pela sobrevivência. Associado a esse desafio, há outro sempre presente nas universidades e institutos de pesquisa: como fazer para que os conhecimentos técnico-científicos produzidos nessas instituições de São Carlos sejam incorporados à sociedade em geral?
Já em termos da sustentabilidade da proposta, o desafio é como garantir sua continuidade mesmo após mudanças na gestão do município, o qual foi inicialmente resolvido com a assinatura de um termo de cooperação científica de 5 anos entre a EduSCar e a SME-SC. Por sua vez, para lidar com os desafios de envolver a comunidade do entorno da escola e integrar as visões de Complexidade e Inteligência Coletiva no currículo da escola, tendo como referência a Base Nacional Comum Curricular, estão sendo planejados projetos a partir de eixos temáticos integradores.
Um exemplo desses eixos é o intitulado ‘Saúde & Sustentabilidade sob as perspectivas da Inteligência Coletiva e da Complexidade: desde o indivíduo até a comunidade’, o qual baseia-se na visão da interdependência de qualidade de vida e qualidade ambiental tendo como foco a promoção da saúde em todas as suas dimensões (física, mental, coletiva e ambiental) e a prevenção a doenças (pensadas desde o indivíduo até a coletividade). Aproximando-se das abordagens conhecidas como STEAM e CTSA (2) e nas relações entre os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 e a perspectiva WEF-Nexus (3), alguns dos projetos propostos para esse eixo integrador são: 1) “Sensoriando nossos passos, desde o chão até o espaço”, trabalhando com o sentimento de pertencimento e percepção do ambiente em suas diferentes escalas, a partir do uso dos órgãos sensoriais e de equipamentos sensores (como imagens de satélite e de drone); 2) “Caminhos cruzados entre água, energia e alimentos que chegam à casa, à escola e ao bairro”, buscando avaliar os usos desses recursos na comunidade e os impactos causados pelo seu consumo; 3) “Saúde da terra e para a Terra”: criação de horta com plantas alimentícias (convencionais e não-convencionais) e medicinais, e de viveiro de mudas de plantas nativas e frutíferas para arborização urbana, baseados nos princípios da permacultura.
Reconhecendo a ampla facilidade de acesso à informação e à comunicação, cada vez mais dependeremos de linguagem apropriada, mais precisa e exata para realizar ações significativas. Assim, esta proposta procura, de forma coordenada, desenvolver e cultivar o letramento matemático, científico e social integrando o conhecimento como fundamento para a cidadania.

(1) Os Centros de Pesquisa que integram a EduSCar são: 1) Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI – USP); 2) Centro de Excelência para Pesquisa em Química Sustentável (CERSusChem – UFSCar); 3) Centro de Pesquisa, Educação e Inovação em Vidros (CeRTEV – UFSCar); 4) Centro de Pesquisa e Inovação em Biodiversidade e Fármacos (CIBFar - USP); 5) Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais (CDMF - UFSCar); 6) Centro de Pesquisas em Óptica e Fotônica (CePOF - USP); 7) Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia sobre Comportamento, Cognição e Ensino (ECCE - UFSCar).

(2) Acrônimos, respectivamente, de ‘Science, Technology, Engineering, Arts and Mathematics” (Ciência, Tecnologia, Engenharia, Artes e Matemática) e “Ciência, Tecnologia, Sociedade e Ambiente”.

(3) Nexos entre Água, Energia e Alimento.

Referências

1) FURTADO, B.A.; SAKOWSKI, P.A.M.; TÓVOLLI, M.H. Modelagem de Sistemas Complexos Para Políticas Públicas. Brasília, 2015. Disponível em: <https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&id=25860>
2) LÉVY, P. Diálogos sobre Inteligência Coletiva. 2014. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=98ZpPKwIjmQ.
3) MORIN, E. A cabeça bem feita. Bertrand Brasil, 2000.

  • Facebook ícone social
  • YouTube
  • Instagram

©2020 por Cátedra de Educação Básica USP.