Mostra Virtual
Programas, projetos e iniciativas para formação de professores

Moodle desktop como ferramenta on-line para potencializar um ambiente de apoio à aprendizagem em comunidades com dificuldades de acesso à internet.

Marcos de Matos Palácio

O processo de mudança na educação à distância não é algo gradativo e nem uniforme. Esta mudança ocorre aos poucos, em todos os níveis e modalidades educacionais. Aparentemente é difícil mudar padrões adquiridos dos governos, dos profissionais e da sociedade de um modo geral, onde a maioria muitas vezes não tem acesso a esses recursos tecnológicos, que podem facilitar o acesso à informação.

Hoje, 46 milhões de brasileiros não têm acesso à internet. Desse total, 45% explicam que a falta de acesso acontece porque o serviço é muito caro e para 37% dessas pessoas, a falta do aparelho celular, computador ou tablet também é uma das razões. Ou seja, o acesso à internet é fator complicador, em qualquer processo de ensino e aprendizagem no Brasil. O Moodle Desktop é uma solução de baixo custo, para o desenvolvimento de projetos de cursos para formação em desktop ou tablets Surface.

Referências

ALVA, E. Metrópoles (In)Sustentáveis. Rio de Janeiro: Relume-Dumará. 1997. ARAÚJO, S. T e MALTEZ, A.G.L. Educação a Distância: Retrospectiva Histórica. Design Total Cursos on line. 2002.
BELLONI, M. L. Educação a Distância -2.ed. –Campinas, SP: Autores Associados. (coleção educação contemporânea). 2001.
BOUFLEUER, J. P. Pedagogia da ação comunicativa: uma leitura de Habermas. Inijuí: Ed. Unijuí, 108 p. 1997. BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Educação profissional: legislação básica. Brasília, p. 59-62: Decreto n.º 2.208, de 17 de abril de 1997, sobre o ensino profissional. 1997.
BUSTAMONTE, J. Sociedade informatizada, sociedade desumanizada? Madrid: Gaia Ediciones, 1993.
COLL, C. Aprendizagem escolar e construção do conhecimento. Porto Alegre: ArtMed, 1994.
COSTA, L. C. M.. Java para Iniciantes. 1ª edição. Ed. Ciência Moderna. 2002.
COTRIN, G. Educação: para uma escola democrática. São Paulo: Saraiva, 1988.
COUTINHO, L. Utilização da TV Escola. Boletim: Salto Para o Futuro, Rio de Janeiro, 1997.
DEITEL, H. M. e DEITEL, P.J. Java TM como Programar. 6ª edição. Ed. Pearson Prentice Hall. 2007.
FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo : Paz e Terra, 1998.
HOINEFF, N. A nova televisão. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1996. LÉVY, P. As tecnologias da inteligência. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1993.
LOBO N., F. J. S. Regulamentação da Educação a Distância: caminhos e descaminhos In: Educação on-line: teorias, práticas, legislação, formação corporativa. ed. São Paulo : Edições Loyola, 2003, v.único, p. 397-415.
MACIEL, I. Educação à distância. Ambientes virtuais: construindo significados. http://www.senac.com.br/informativo/BTS/283/boltec283e.htm. Acesso: 20/8/08. MEC. Bases da Educação Nacional. (Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996), pelo Decreto n.º 2.494, de 10 de fevereiro de 1998 (publicado no D.O.U. DE 11/02/98), Decreto n.º 2.561, de 27 de abril de 1998 (publicado no D.O.U. de 28/04/98) e pela Portaria Ministerial n.º 301, de 07 de abril de 1998 (publicada no D.O.U. de 09/04/98).
PROINFO – Programa Nacional de Informática na Educação. 2000.
SANCHO, M. R. M. Aperfeiçoamento em implementação da proposta curricular. Secretaria de Estado da Educação e Desposto. Seed, Brasil. 1980. SIERRA, K. I. B. Use a Cabeça Java TM. 2ª edição. Ed. Alta Books. 2007.
STRUCHINER, M e CARVALHO, M. A. P. Um Ambiente Construtivista de Aprendizagem a Distância: Estudo da Interatividade, da Cooperação e da Autonomia em um Curso de Gestão Descentralizada de Recursos Humanos em Saúde. Associação Brasileira de Educação a Distância. ABED. 2008.
TEIXEIRA, M. H. G. Educação superior aberta e a distância: análise das propostas para implantação de uma política educacional alternativa. Brasília, DF, 1992. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Educação da UnB, 1992.
WIKIN, Y. A nova comunicação. Campinas: Papirus, 1998.

  • Facebook ícone social
  • YouTube
  • Instagram

©2020 por Cátedra de Educação Básica USP.