Minicursos por mês

Março

Abril

Maio

Junho

Agosto

Cátedra Alfredo Bosi de Educação Básica

Ciclo de Minicursos
"Educação Básica: Espaços e Políticas"

A Cátedra de Educação Básica da USP continuará oferecendo em 2022 atividades virtuais e gratuitas para professores do ensino básico, estudantes de licenciatura, pesquisadores e outros interessados na área.

Os minicursos ocorrem às terças e quintas-feiras, das 19h às 21h30 [confira todas as datas disponíveis abaixo].

Os minicursos são independentes, cabendo ao interessado escolher qual ou quais deseja assistir. A transmissão será sempre pelo canal da Cátedra no YouTube, e não será preciso se inscrever.

 

Serão concedidos atestados de participação para cada minicurso. Os interessados deverão preencher um formulário enviado durante a transmissão. Leia nosso guia de orientações clicando aqui.

PROGRAMAÇÃO

AGOSTO

09 de agosto: Desmistificando os Algoritmos: Limites, Riscos e Possibilidades - Daniel Fils Puig, David Cavallo, Sandra Regina Cavalcante e Valkiria Venancio

Ementa:

O minicurso abordará a história e utilização atual de algoritmos, visando alargar o debate com um enfoque histórico-crítico, incluindo a exploração capitalista atual. Além das possibilidades do uso na educação, serão tratados os riscos e limitações dos algoritmos, como os envolvidos nos vieses da Inteligência Artificial. 

11 de agosto: Geometria Computacional e Conhecimento: Aplicações no Educação Básica -  David Cavallo

Ementa:

Por que o ensino da matemática é obrigatório para todos os anos escolares? Por que os conteúdos não mudaram muito nos últimos 100 anos? Por que temos tanta desigualdade nos resultados na matemática nas escolas? O que é fundamental na matemática agora?

Neste minicurso nós vamos apresentar novos exemplos, histórias e perguntas para melhorar a educação matemática e criar conteúdos mais conectados, pertinentes, e integrados para que todas/todos/todes possam desenvolver habilidades, conhecimento, e pensamento matemático com alegria e paixão. Esperamos ter uma maravilhosa discussão ao final.

16 de agosto: Profissionalização e Projeto de Vida - Francisco Cordão, Fernanda A. Yamamoto, Rosemary Soffner e José Fernandes Lima

Ementa:

Este minicurso objetiva aprofundar a compreensão sobre o que é um projeto de vida e suas relações com as escolhas pessoais e educacionais de profissionalização. Pretende discutir o que é profissionalização sob a ótica da Constituição Federal e da LDB, articulada com possíveis projetos profissionais e de práticas sociais.

18 de agosto: Ensino de Matemática: Quatro Pecados Capitais (Desamparo, Mateologia, Cocotologia, Fantasmas) - Nilson José Machado

Ementa:

O minicurso tratará de quatro modos de conceber a MATEMÁTICA que contaminam as ações docentes: a ausência de auto eficácia e a sensação de DESAMPARO; a sedução do utilitarismo, ou a aparência de MATEOLOGIA; o excesso de linguagem técnica, ou a sedução da COCOTOLOGIA;  e a incompreensão do papel das abstrações, ou a aparência de FANTASMAS. Exemplos referentes aos conteúdos da Escola Básica ilustrarão a exposição dialogada.  

23 de agosto: Formação de Professores para a Educação Técnica e Profissional - Francisco Cordão, Fernanda A. Yamamoto, Paulo Wollinguer, Cleunice Rehem e Miguel Rodrigues

Ementa:

Este minicurso objetiva apresentar um panorama da formação de professores para a ETP e identificar quais são as competências necessárias para os seus professores em termos de conhecimento, prática e engajamento profissional. Quem é esse professor? Que compreensão ele tem dessa modalidade de ensino? Como é sua formação inicial e continuada? Quais os desafios desse professor no mundo do trabalho em permanente mudança?

JUNHO

02 de junho: Descolonizando a Auto-Colonização na Educação - Ana Paula Magalhães, Naomar Almeida e Rosa Bruno-Joffré

Ementa:

"Quando rejeitamos a história única, quando nos apercebemos de que nunca há uma história única sobre nenhum lugar, reconquistamos uma espécie de  paraíso”. Com esta fala, a escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie encerrou sua conferência no TED (Technology, Entertainment, Design), no ano de 2009. A realidade do passado colonial brasileiro persiste e reproduz-se na elaboração de currículos e de conteúdos pedagógicos, de forma a reforçar o silêncio de grupos étnicos e sociais subalternizados.  Neste sentido, impõe-se a urgência de uma perspectiva pós-colonial na educação brasileira. Neste minicurso, propomos uma abordagem conceitual da noção de “colonização”, seguida de relatos históricos de casos e, por fim, um debate sobre o significado da descolonização no ambiente escolar. 

07 de junho: Significados e Limites da Ideia de Representação - Nilson Machado

Ementa:

Vivemos em um mundo em que os objetos ou as pessoas são continuamente apresentados e reapresentados, ou representados. A Língua e a Matemática são dois sistemas básicos de representação da realidade, mas continuamente interagimos com representações simbólicas de diferentes escopos. Uma conversa ao nível do sendo comum sobre concepções de representação,
incluindo comentários tópicos sobre as visões de Schopenhauer, Peirce, Cassirer, Duval, Goodman, Birch, Pitkin, entre outros, poderá nos conduzirá à antessala do significado político de tal ideia; nada pretendemos, além disso.

 Clique aqui   para baixar o material de apoio. 

23 de junho: Scientia Vinces: Poder, Ciência e Projeto de Sociedade na Fundação da USP - Ana Paula Magalhães, Débora Foguel e Helena Riquena

Ementa:

As décadas de 1920 e de 1930 vieram acompanhadas de desafios globais, de ampla repercussão, mas também, no caso específico do Brasil de disputas e impasses em torno de projetos de poder em um contexto de turbulência social e de fraturas políticas. O pós-guerra e a crise de 1929 acarretaram um fluxo populacional em direção ao Brasil, absorvido em grande medida pela cidade de São Paulo, metrópole emergente e aspirante à integração ao movimento Modernista, e cuja efervescência cultural resultaria na Semana de Arte Moderna, em 1922; por outro lado, havia uma percepção mundial de que a ciência e a tecnologia haviam  viabilizado desastres como a guerra, o que resultava em um pensamento anticientífico crescente. Tendo em vista um projeto de formação calcado na pesquisa, sob o dístico “scientia vinces” (pela ciência, vencerás), a fundação da USP, em 1934, representou uma resposta a essa tendência, mas, ao mesmo tempo, a materialização de um projeto político.

30 de junho: Psicologia Indígena e Educação: Experiências em Debate - Bernadete Castro, Briseida Dogo de Resende, Danilo Silva Guimarães, Fraulein Vidigal de Paula, Jessica Correa, Paula Rasia e Rafael Macedo

Ementa:

1. Psicologias indígenas e diversidade epistemológica;

2. Virada ontológica e virada ética na construção do conhecimento científico;

3. Os indígenas e a educação na história do Brasil: colonização, colonialidade e concepções indígenas;

4. O direito à educação escolar diferenciada na constituição de 1988;

5. Desafios para o ensino de história e cultura indígena no currículo oficial da rede de ensino;

6. Diálogos com educadores indígenas nas atividades da Rede de Atenção à Pessoa Indígena da USP.

 

MAIO

03 de maio: O Manifesto da Educação Nova: em Defesa da Educação Pública e da Formação Docente - Ariadne Ecar e Diana Vidal

Ementa:

O minicurso tem por objetivos:

1) apresentar, de uma forma geral, as propostas contidas no Manifesto de 1932, ressaltando as condições históricas que deram origem à carta-monumento, tanto do ponto de vista educacional, quanto das disputas políticas.

2) deter-se mais especificamente sobre o modelo universitário de formação docente proposto e sobre o cenário de sua implementação nos Institutos de Educação do Rio de Janeiro e de São Paulo.

12 de maio: Diálogos sobre as Diversidades e as Interseccionalidades - Fabiana Lima e Mille Fernandes

Ementa:

Ao compreendermos que o exercício docente implica intenso e contínuo processo de formação que, além de promover subsídios críticos para ampliar os espaços de discussão que combata as discriminações, descolonize saberes e fazeres estereotipados, pode contribuir no enfrentamento dos desafios no que concerne às discussões sobre as relações étnico-raciais, educação quilombola, educação indígena, educação de jovens e adultos, educação do campo, educação especial, gênero entre outras. Portanto, este minicurso tem como objetivo colaborar para a mudança de percepção quanto aos temas propostos, os quais  apontam na direção de uma educação que respeite e valorize as diversidades. Propomos uma formação docente colaborativa, trazendo as práticas e experiências dos professores em formação. Assim, os eixos trabalhados se conformarão em dois minicursos, neste primeiro, e também no minicurso "Diálogos sobre Educação Inclusiva", a ser realizado no 2º semestre de 2022.

Recomendamos às/os interessadas/os em participar do minicurso que assistam ao documentário LÁPIS DE COR, dirigido por Larissa Santos (conhecida artisticamente como Larissa Fulana de Tal). O curta-metragem trata das formas com que crianças entre 5 e 11 anos  de idade se auto-percebem negras, a partir dos próprios corpos, do uso da imaginação e dos atos falhos, que deixam entrever em suas falas a crueldade do racismo na infância. Utilizaremos a obra audiovisual como mote para as discussões sobre diversidade étnico-racial e interseccionalidades.

17 de maio: No Meio do Caminho Tinha um Monumento - Ana Paula Magalhães, Cris Carvalho e Helena Riquena

Ementa:

Atualmente existe uma ampla discussão a respeito dos monumentos nas cidades pelo mundo, dando conta de pichações, derrubadas e outras formas de destruição. Muitos monumentos homenageiam ou fazem referência a personagens controversos, para se dizer o mínimo). Diante disso, o que é preciso fazer? Remover o monumento? Mantê-lo da mesma forma e no mesmo lugar? Recolher em um museu? Erigir um contra-monumento? Nenhuma dessas possibilidades está errada, mas dificilmente estará certa caso não perguntemos: afinal, por que o monumento foi construído e colocado ali? Da mesma forma, observamos, recentemente, um movimento de busca pela recuperação de uma memória perdida, relacionada àqueles que jamais puderam deixar sua memória. Monumentos de valorização deste passado "apagado" florescem em cidades do Brasil e do mundo e representam um importante alento para a aprendizagem de Patrimônio e História, assim como para a formação crítica e cidadã.

26 de maio: Notas sobre Políticas na Educação Infantil - Lino de Macedo e Maria Regina dos Passos Pereira

Clique aqui para baixar o material de apoio.

Ementa:

Os objetivos deste minicurso são:

- Apresentar duas formas de se estudar a criança pequena: (1) a perspectiva dela mesma e (2) a dos adultos responsáveis por seus cuidados e educação.

 

- Refletir sobre políticas na educação infantil segundo dois artigos: (1) Lisete Regina Gomes Arelaro, Avaliação das políticas de educação infantil no Brasil: avanços e retrocessos (2017) e (2) Rodrigo Saballa de Carvalho & Bianca Salazar Guizzo, Políticas de Educação Infantil: conquistas, embates e desafios na construção de uma Pedagogia da Infância (2018).

 

- Refletir sobre a Educação Infantil à luz da legislação vigente (LDB, DCNEI, BNCC, Novos Currículos):

 

1. LDB - Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996. BRASIL. (Clique aqui para acessar)

2. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 (*)  Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. (Clique aqui para acessar)

3. Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil / Secretaria de Educação Básica. – Brasília: MEC, SEB, 2010. (Clique aqui para acessar)

4. Referências: BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018. (Clique aqui para acessar)

ABRIL

05 de abril: Currículo Integrado entre Ensino Médio e Formação Técnica e Profissional - Fernanda  Yamamoto, Francisco Cordão, Herbert Alexandre João e Márcia Azevedo Coelho

Ementa:

Este minicurso objetiva apresentar possibilidades de integração curricular a partir de diferentes experiências/perspectivas de escolas públicas e privadas, visando contribuir com a implementação do quinto itinerário formativo, de modo que não seja uma "apêndice" do Ensino Médio. A ideia é problematizar diversas questões sobre essa integração, contemplando além da concepção e organização curricular, a operação efetiva desses cursos. Como integrar a formação geral e Formação Técnica e Profissional? Como os professores devem ser preparados para esse desafio? Essa proposta exige mudanças operacionais na escola?

07 de abril: Vias e Desvios na Ideia de Pesquisa em Educação - Nilson Machado

Ementa:

Este minicurso abordará aspectos diversos da pesquisa acadêmica da área de educação, partindo do pressuposto que "é quase impossível ensinar sem fazer algum tipo de pesquisa". O ensino e a pesquisa, para o expositor Nílson Machado, seriam parte de uma "integração natural".

Como mostra o sumário disponível para download abaixo, o minicurso abordará questões, desafios e dilemas que o pesquisador enfrenta ao longo de seu projeto. Neste documento, cada um dos 12 tópicos está detalhado e explicado.

 Clique aqui  para baixar o material de apoio. 

12 de abril: Biologia do Conhecer: O Corpo Aprende? O que é Aprender? - Beto Vianna, Carlos Mourthé, Cristina Magro, Nelson Vaz 

Ementa:

Na Biologia do Conhecer e da Linguagem de Humberto Maturana, viver, como um processo, é uma aprendizagem contínua e inevitável. Disparado por expressões do viver de diferentes seres, entre elas, o funcionamento do sistema imunológico humano, inclusive suas relações com as vacinas, este minicurso, estruturado na forma de um diálogo transdisciplinar, convida a pensar sobre como pensamos o conhecer, a aprendizagem, as emoções e a linguagem. 
Um convite ao acesso a novos fundamentos com potencial transformador das experiências vividas entre professoras, professores e estudantes.

14 de abril: Interdisciplinaridade, Metodologia de Projetos e Aprendizagem por Problemas Concretos - Daniel Puig

Ementa:

Este minicurso visa: Percorrer experiências interdisciplinares de aprendizagem baseada em problemas concretos com uso da metodologia de projetos e a partir delas entender a importância dos fundamentos dessas práticas, tanto na educação básica quanto para a formação de professores no ensino superior. Propor referências, práticas e trabalhos que ampliem as possibilidades de atuação pedagógica de docentes, também neste momento de emergência sanitária e suas contingências. Estimular a criação de práticas pedagógicas para os contextos reais de participantes.

Clique aqui  para baixar o material de apoio. 

19 de abril: Educação Imersiva com Apoio em Saberes Plurais e Tecnologias Integradas - Compartilhando Experiências - Anna Carolina Muller, Elmara Pereira de Souza, Jorge Franco, Romero Tori e Roseli Lopes

Ementa:

Este minicurso se fundamenta em apresentar e refletir a respeito de experiências educativas apoiadas no conceito e em práticas de educação imersiva. Tais práticas utilizam uma combinação de gráficos 3D interativos, tecnologias de simulação, video games, realidade virtual e recursos técnicos no padrão da internet, de modo interligado com o desenvolvimento de atividades educativas embasadas em adquirir e aplicar saberes de forma inter e/ou transdisciplinares, que tendem a superar maneiras tradicionais de aprender e de ensinar na Educação Básica e no Ensino Superior.

26 de abril: Descolonizando as Ciências: Contribuições da Ciência Africana e Afrodiaspórica - Bárbara Carine

Clique aqui para baixar o material apresentado durante o minicurso

Clique aqui para conhecer mais do trabalho e da trajetória de Bárbara Carine


Ementa:

O referido minicurso tem como intuito apresentar produções científico-tecnológicas ancestrais e contemporâneas em afroperspectiva, buscando ressignificar as bases intelectuais ocidentais problematizando "o milagre grego" - narrativa que assenta a origem de grande parte dos saberes ocidentais à civilização grega. Para tal, a partir de uma ótica escrevivente, apresento conceitos fundamentais para o entendimento deste apagamento histórico, tais como: pilhagem epistêmica e genocídio epistêmico. Também trago o fundamento da filosofia Ubuntu para compreendermos outras possibilidades de ser e estar no mundo, produzindo ciência a partir de outros marcadores existenciais e metodológicos.

28 de abril: Educação Maker: Fazer para Aprender - Débora Garofalo, Elio Molisani Ferreira Santos, Leandro Yanaze, Nathan Rabinovitch

Ementa:

O objetivo deste minicurso é apresentar conceitos e experiências de Aprendizagem Baseada no Fazer. A criatividade dos alunos se torna o principal elemento de engajamento no processo de aprendizagem ao construir artefatos e estratégias para desenvolver um projeto e/ou resolver um problema. A cultura maker pode ser implementada nas escolas começando com recursos comuns (sucata e objetos domésticos) podendo evoluir para espaços com recursos tecnológicos mais sofisticados. Este minicurso é vivencial e te convida a colocar a mão na massa. Separe papelão, papel e tesoura e vamos fazer para aprender!

MARÇO

10 de março: Complexidade e Ciência Translacional: Perspectivas na Educação - Beatriz Cardoso, Débora Foguel, Lina Faria, Naomar Almeida Filho, Ricardo Henriques

Ementa:

Dando seguimento à crítica da "Educação baseada em evidências", tema de um dos minicursos da programação acadêmica 2020, apresentamos agora uma introdução ao conceito de Ciência Translacional Transdisciplinar (CTT). A configuração de um modo de produção de conhecimento coletivamente organizado e cada vez mais aberto às questões da complexidade tem ampliado o papel da translação-transdisciplinaridade-transversalidade nas ciências contemporâneas. Três décadas após o surgimento da medicina baseada em evidências (Faria et al 2021) e uma década de expansão da CTT no campo biomédico, emergem propostas de adaptação dessa perspectiva a outros campos científicos, como na Ecologia (Enquist et al. 2017), na Psicologia (Stirman & Beidas, 2020) e respectivas aplicações tecnológicas nas Engenharias como Technoscientific Research (Narayanamurti, 2022).

 

Inicialmente o interesse da CTT pela educação se limitou ao ensino de ciências médicas, com o objetivo de formar pesquisadores e clínicos capazes de compreender, interagir e intervir numa abordagem translacional para atender às demandas do campo da saúde. Trata-se, nesse momento, de avançar na incorporação e aplicação desses elementos teóricos, metodológicos e analíticos nas ciências da aprendizagem, tal como antecipado por Aymerich et al (2014) e Mitchell (2016) e sistematizado por Norman & Lotrecchiano (2021). No futuro , a perspectiva translacional poderá se tornar crucial no campo da Educação, num contexto ainda dominado por julgamentos fundados em convicções e ensino baseado em crenças.

Clique aqui para baixar a bibliografia e plano de atividade.

15 de março: Direitos de Aprendizagem e Campos de Experiência nas Três Etapas da Educação Infantil -  Adelir Marinho de Barros, Fátima Beraldo, Lino de Macedo

Ementa:

1. Significações de aprendizagem e experiência, segundo Piaget. 
2. Desenvolvimento da inteligência e da afetividade na criança de 0 a 5 anos, segundo Piaget. 
3. Interconexão entre direitos de aprendizagem e campos de experiência na Educação Infantil. 
4. Planejamento e ação pedagógica na Educação Infantil. 

17 de março: Educação, Trabalho e Sociedade - Amin Aur, Ana Paula Magalhães, Fausto Augusto Junior, Francisco Aparecido Cordão, Maria Cristina Carvalho, Maria Inês Fini, Sandra Cavalcante, Valter de Almeida Costa

Ementa:

O objetivo do curso é apresentar um panorama sobre o mundo do trabalho no Brasil e suas relações com as políticas e práticas educacionais. A ocasião do bicentenário da Independência nos convida a refletir sobre o atual cenário a partir de uma perspectiva histórica, mas também a avaliar os percursos de forma crítica e apresentar projetos para o futuro. 

29 de março: A Construção Histórica da Profissão Docente no Brasil - Ana Paula Magalhães, Ariadne Ecar, Bernardete Gatti

Ementa:

A efeméride do bicentenário da Independência do Brasil nos convida a refletir sobre os projetos de nação que se encontram na origem do Estado brasileiro. Neste sentido, a formação de professores tem sido um aspecto sempre mobilizado nos debates ao longo da história. Ela tem sido objeto da elaboração de uma memória, por meio de imagens e representações, muitas vezes deslocadas da realidade dos docentes. A partir dos primórdios de sua profissionalização, os professores tiveram sua identidade elaborada e reelaborada nos discursos, nos quais foram ora caracterizados como ícone moral, ora esvaziados de sua dimensão profissional. É preciso adotar uma postura crítica diante dessas construções, a fim de diferenciar representação e realidade, além de favorecer uma autopercepção autônoma dos docentes sobre sua identidade. Percorrer os traços históricos que se referem à formação para a docência no Brasil pode contribuir para o entendimento como tradição e mudança se interseccionam, se entrecruzam, ou se contrapõem, diferenciando os fatos que indicam persistência de padrões tradicionais dos que apontam para alterações em situações dadas. Nesse sentido serão abordados aspectos dessa formação no período colonial e da primeira república, caminhando com as legislações e políticas de formação de professores até nossos dias, sinalizando seus impasses e contradições. Assim, será, então, destacada a importância da História da Educação na profissão docente, como campo do conhecimento que permite conhecer a história do ensino, das práticas educacionais, da formação e profissão docentes ao longo
dos séculos. Sua importância é evidente na formação de professores, pois possibilita que o educador estabeleça uma conexão com o passado partindo de questões que surgem no cotidiano escolar e que, por sua vez, permitem refletir sobre as ações que ocorrem no presente. Com a exposição desta temática, espera-se que os/as docentes compreendam a
pertinência da História da Educação para a sua profissão.

Clique aqui para baixar a bibliografia e plano de atividade.

31 de março: Competências Gerais da BNCC e o Mundo do Trabalho - José Fernandes de Lima e Rosemary Soffner

Ementa:

Nesse minicurso examinaremos a abordagem dada ao “trabalho” ao longo do documento da BNCC e analisaremos os destaques dados no documento ao estabelecido no artigo 205 da Constituição Federal.

Em breve mais informações sobre outros minicursos.